quarta-feira, 9 de maio de 2012

Empreendedorismo no Brasil – Análise histórica



O presente artigo descreve o conceito de empreendedorismo e em seguida o mostra como está o Brasil como um país empreendedor seu ranking em relação a outros países. Também relata características dos empreendedores brasileiros.
Segundo Robert Hirsch, em seu livro “Empreendedorismo é o processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as conseqüentes recompensas da satisfação econômica e pessoal”
Com base neste conceito percebe que no Brasil tem muitas pessoas com este perfil empreendedor que são os seguintes:
  • Ter objetivos pessoais e profissionais
  • Observar tendências
  • Usar talentos pessoais
  • Ser adepto da educação continuada
  • Ampliar rede de relacionamento
  • Buscar equilíbrio entre trabalho, lazer, emoções e valores.
  • Ousar em mudanças
Com essas características é possível ter sucesso empresarial  em qualquer área que a pessoa queira empreender, pois isso leva as pessoas terem mais ousadia a investir em seus negócios assumindo riscos financeiros.
O Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP) em parceria com o Sebrae Nacional, principal promotor da pesquisa; o Sesi/PR, o Senai/PR e a Universidade Positivo, como parceria técnica promovem a pesquisa GEM, a qual revela detalhes no comportamento empreendedor brasileiro. A presente pesquisa tem nove anos de edição completados no ano de 2008 com atuação em 60 países a presente pesquisa informa que o Brasil ocupou 13º posição no ranking mundial de empreendedorismo com a Taxa de Empreendedores em Estágio Inicial (TEA) brasileira foi de 12,02 o que significa que de cada 100 brasileiros 12 realizavam alguma atividade empreendedora até o momento da pesquisa. Outro ponto encontrado na pesquisa é que o aumento da participação do jovem (18-24 anos) e a redução da participação do adulto de meia idade (55-64 anos) na atividade empreendedora.
O Brasil ocupa a terceira posição no ranking mundial em termos de participação de jovens empreendedores (25%), sendo superado somente pelo Irã (29%) e pela Jamaica (28%). Observa-se que o jovem empreendedor por necessidade, em 2008, representa 28% dos empreendedores brasileiros (taxa superior à média no período, que é de 20,6%), possuindo uma renda concentrada na faixa de 1 a 3 salários mínimos (média no período de 60%) e um nível de escolaridade de 5 a 11 anos (média de 60% no período), com atividades de serviços orientados ao consumidor (70%), seguidas pelo setor de transformação (33%).
O jovem empreendedor por oportunidade diferencia se por possuir uma renda maior (36% até 3 salários mínimos; 34% de 3 a 6 salários) e uma escolaridade maior, sendo que 25% estão cursando ou já terminaram o nível superior. Ambos têm uma alta concentração em atividades de serviços orientados aos consumidores e atividades de transformação, entretanto, os empreendedores por oportunidade iniciam seus negócios com atividades mais especializadas, em função de seu maior nível de qualificação e renda. Os empreendedores por oportunidade têm uma participação maior em serviços orientados à empresa (19%), uma vez que esse tipo de serviço exige maior nível de qualificação e formação. O jovem universitário, por exemplo, frente à escassez do trabalho formal, abre seu negócio em serviços especializados, tais como contabilidade, apoio jurídico, apoio de informática etc.
Ao longo do período de 2001-2008, a participação do adulto de meia-idade (55-64 anos) no empreendedorismo por necessidade vem reduzindo, representando apenas 6% dos empreendedores. Um dos fatores que incide nesse quadro é a tendência de universalização da previdência; os aposentados conseguem manter sua subsistência, e/ou deixando de fazer outras atividades e/ou procurando alternativas de complementação de renda no mercado como assalariado formal ou informal.
Os indivíduos nessa faixa etária possuem de um a quatro anos de estudo e suas atividades são orientadas para os consumidores. Por exemplo, o idoso que se aposenta e continua a exercer sua profissão, de marceneiro, eletricista, encanador etc. O empreendedor adulto (55-64 anos) por oportunidade vem reduzindo, igualmente, sua participação, no período considerado. Representam 2% dos empreendedores, e 40% deles possuem até 11 anos de educação, estando alocados em atividades transformação (44%) e serviços especializados (49%).
Esse empreendedor é aquele que ao longo da vida conseguiu acumular algum tipo de poupança e, em função de um ambiente instável, não está disposto a riscos e a procurar usufruir seu tempo livre. O adulto na faixa etária de 55 a 64 anos que busca a atividade empreendedora é aquele que em função de sua especialização e experiência abre o negócio como forma de realização pessoal e profissional. Esse tipo de empreendedor tem um maior nível de escolaridade, normalmente formação universitária, ou experiência qualificada e está disposto a enfrentar novos desafios – suas atividades estão voltadas para serviços especializados a consumidores, à indústria de transformação, às empresas, como consultorias e serviços técnicos especializados.
Com isso, percebe-se a evolução do empreendedor brasileiro cada vez mais ousado em enfrentar a concorrência e investir em novos empreendimentos capaz de assumir riscos financeiros. É possível visualizar nesta pesquisa também o aumento de empreendedores jovens numa faixa etária entre 18 a 24 anos e melhor ainda é ver que esses jovens empreendedores o qual o presente texto se refere é que seus empreendimento estão sendo lucrativos.

Alguns mitos sobre empreendedorismo no Brasil

A carga tributária é pesada demais
Até é, mas não é nada que um bom projeto não resolva. Uma coisa que precisa ficar bem clara é que os impostos são um custo variável. Ou seja, dependem do seu faturamento. Nosso sonho é um dia ter que pagar R$1 bilhão em impostos.
Sabendo que os impostos diminuem sua margem, a melhor solução é criar produtos de alto valor agregado ao invés de ficar lutando para ser o mais barato. É aí que vale a pena ler o que Silvio Meira diz sobre inovação tecnológica e criar algo memorável.
Não vale a pena seguir a lei Tudo bem que se você sair dos trilhos o BOPE não vai descer de helicoptero na sua casa logo depois. Porém, se você pretende vender sua empresa, investidores farão uma busca profunda para saber se está tudo em ordem. Nessa busca, ter pendências com a lei é uma ótima forma de arruinar o investimento.
Por esse e diversos outros motivos, é melhor seguir a maneira certa.
Não há espaço para produtos inovadores no Brasil Muito pelo contrário!
As pessoas tem mais ou menos as mesmas necessidades básicas em todos os lugares do mundo (vide a pirâmide de Maslow). Mesmo se seu produto é “avançado demais para o Brasil”, provavelmente é possível adaptar seu produto à realidade local e colher ótimos frutos. Recomendo o artigo: Startups brasileiras: podem até copiar, mas evoluam.
Não existe ensino de empreendedorismo no Brasil Faça uma busca por “aula empreendedorismo” no Twitter (aqui) e veja quantas menções existem. Isso se deve a um projeto muito bacana para inserir empreendedorismo nas salas de aula.
Lógico que não é algo presente em todas as escolas e faculdades do país, mas já é um avanço gigantesco. Parabéns pra Ludmilla Figueiredo e ao pessoal da Endeavor pelo projeto!
Não existem políticas de financiamento ao empreendedorismo no Brasil Não apenas existem, como de vez em quando o dinheiro não é totalmente investido por falta de bons projetos. Vale a pena conferir alguns financiamentos do governo (aqui), apoios do Sebrae (aqui) e os famosos fundos de capital de risco (algumas dicas).
De qualquer forma, vale a pena lembrar que o melhor investimento inicial são as primeiras vendas. Comece a vender antes de sair caçando dinheiro dos outros.
Não temos exemplos de empreendedores de tecnologia bem sucedidos no Brasil Tudo bem que os homens mais ricos do país não sairam de uma garagem e criaram tecnologias que revolucionaram o mundo. Porém, existem ótimos casos de empresas brasileiras para mostrar que é possível criar uma empresa inovadora sem precisar de milhões de reais de investimento inicial.
Meus exemplos preferidos são: Camiseteria, Videolog e iMasters. Conclusão
Nem no Brasil nem em qualquer lugar do mundo vai existir um ambiente mágico em que uma ideia se transforma em dinheiro do dia pra noite. Portanto, a melhor coisa a fazer é conhecer a realidade brasileira, aproveitar as oportunidades que existem e mãos à obra!
Ao invés de ser pessimista e ficar só reclamando sobre isso ou aquilo, é muito melhor fazer o possível para melhorar a realidade. Acredite, fazer o possível pode te levar muito além do que você imagina.

Origem

A palavra empreendedorismo foi utilizada pelo economista Joseph Schumpeter em 1950 como sendo uma pessoa com criatividade e capaz de fazer sucesso com inovações. Mais tarde, em 1967 com Kenneth E. Knight e em 1970 com Peter Drucker foi introduzido o conceito de risco, uma pessoa empreendedora precisa arriscar em algum negócio. E em 1985 com Gifford Pinchot foi introduzido o conceito de Intra-empreendedor, uma pessoa empreendedora mas dentro de uma organização
Uma das definições mais aceitas hoje em dia é dada pelo estudioso de empreendedorismo, Robert Hirsch, em seu livro “Empreendedorismo”. Segundo ele, empreendedorismo é o processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as consequentes recompensas da satisfação econômica e pessoal.
A satisfação econômica é resultado de um objetivo alcançado (um novo produto ou empresa, por exemplo) e não um fim em si mesma.

Definição

Empreendedorismo é o principal fator promotor do desenvolvimento econômico e social de um país.

Análise histórica

A palavra empreendedor (entrepreneur) surgiu na França por volta dos séculos XVII e XVIII, com o objetivo de designar aquelas pessoas ousadas que estimulavam o progresso econômico, mediante novas e melhores formas de agir.
Entretanto, foi o economista francês Jean-Baptiste Say, que no início do século XIX conceituou o empreendedor como o indivíduo capaz de mover recursos econômicos de uma área de baixa para outra de maior produtividade e retorno. Mais tarde, o austríaco Joseph Schumpeter, um dos mais importantes economistas do século XX que definiria esse indivíduo como o que reforma ou revoluciona o processo “criativo-destrutivo” do capitalismo, por meio do desenvolvimento de nova tecnologia ou do aprimoramento de uma antiga – o real papel da inovação. Esses indivíduos são os agentes de mudança na economia.
Posteriormente, Peter Ferdinand Drucker, considerado “o pai da administração moderna”, é que amplia a definição proposta por Jean-Baptiste Say, descrevendo os empreendedores como aqueles que aproveitam as oportunidades para criar as mudanças. Os empreendedores não devem se limitar aos seus próprios talentos pessoais e intelectuais para levar a cabo o ato de empreender, mas mobilizar recursos externos, valorizando a interdisciplinaridade do conhecimento e da experiência, para alcançar seus objetivos.
O conceito de empreendedorismo está também muito relacionado aos pioneiros da alta tecnologia do Vale do Silício, na Califórnia. Ainda nos EUA, o Babson College tornou-se um dos mais importantes pólos de dinamização do espírito empreendedor com enfoque no ensino de empreendedorismo na graduação e pós-graduação, com base na valorização da oportunidade e da superação de obstáculos, conectando teoria com a prática, introduzindo a educação para o empreendedorismo através do currículo e das atividades extracurriculares. É notória a atual ênfase dada ao empreendedorismo e a inovação como temas centrais nas melhores Universidades Norte-Americanas.
Século XVII
Os primeiros indícios de relação entre assumir riscos e empreendedorismo ocorreram nessa época, em que o empreendedor estabelecia um acordo contratual com o governo para realizar algum serviço ou fornecer produtos. Richard Cantillon, importante escritor e economista do século XVII, é considerado por muitos como um dos criadores do termo empreendedorismo, tendo sido um dos primeiros a diferenciar o empreendedor (aquele que assume riscos), do capitalista (aquele que fornecia o capital).
Século XVIII
Nesse século o capitalista e o empreendedor foram finalmente diferenciados, provavelmente devido ao início da industrialização que ocorria no mundo, através da RevoluçSão Industrial.
Século XIX e XX
No final do século XIX e início do século XX, os empreendedores foram frequentemente confundidos com os administradores (o que ocorre até os dias atuais), sendo analisados meramente de um ponto de vista econômico, como aqueles que organizam a empresa, pagam empregados, planejam, dirigem e controlam as ações desenvolvidas na organização, mas sempre a serviço do capitalista.

0 comentários: